No free photos please!

Reasons Why Professional Photographers Cannot Work for Free

Razões Pelas Quais Os Fotógrafos Profissionais Não Podem Trabalhar Gratuitamente

Dear potential photo buyer,

If you have been directed to this page, it is likely that you have requested the use of an image or images for free or minimal compensation.

As professional photographers, we receive requests for free images on a regular basis. In a perfect world, each of us would love to be able to respond in a positive manner and assist, especially with projects or efforts related to areas such as education, social issues, and conservation of natural resources. It is fair to say that in many cases, we wish we had the time and resources to do more to assist than just send photographs.

Unfortunately, such are the practicalities of life that we are often unable to respond, or that when we do, our replies are brief and do not convey an adequate sense of the reasons underlying our response.

Circumstances vary for each situation, but we have found that there are a number of recurring themes, which we have set out below with the objective of communicating more clearly with you, and hopefully avoiding misunderstandings or unintentionally engendering ill will.

Please take the following points in the constructive manner in which they are intended. We certainly hope that after you have had a chance to read this, we will be able to talk again and establish a mutually beneficial working relationship.

Photographs Are Our Livelihood
Creating compelling images is the way we make our living. If we give away our images for free, or spend too much time responding to requests for free images, we cannot make a living.

We Do Support Worthy Causes With Images
Most of us do contribute photographs, sometimes more, to support certain causes. In many cases, we may have participated directly in projects that we support with images, or we may have a pre-existing personal relationship with key people involved with the efforts concerned. In other words, each of us can and does provide images without compensation on a selective basis.

We Have Time Constraints
Making a leap from such selective support to responding positively to every request we get for free photographs, however, is impractical, if for no other reason than the substantial amount of time required to respond to requests, exchange correspondence, prepare and send files, and then follow-up to find out how our images were used and what objectives, if any, were achieved. It takes a lot of time to respond to requests, and time is always in short supply.

Pleas of “We Have No Money” Are Often Difficult to Fathom
The primary rationale provided in nearly all requests for free photographs is budgetary constraint, meaning that the requestor pleads a lack of funds.

Such requests frequently originate from organisations with a lot of cash on hand, whether they be publicly listed companies, government or quasi-government agencies, or even NGOs. Often, it is a simple matter of taking a look at a public filing or other similar disclosure document to see that the entity concerned has access to significant funding, certainly more than enough to pay photographers a reasonable fee should they choose to do so.

To make matters worse, it is apparent that all too often, of all the parties involved in a project or particular effort, photographers are the only ones being asked to work for free. Everyone else gets paid.

Given considerations like this, you can perhaps understand why we frequently feel slighted when we are told that: “We have no money.” Such claims can come across as a cynical ploy intended to take advantage of gullible individuals.

We Have Real Budget Constraints
With some exceptions, photography is not a highly remunerative profession. We have chosen this path in large part due to the passion we have for visual communication, visual art, and the subject matters in which we specialise.

The substantial increase in photographs available via the internet in recent years, coupled with reduced budgets of many photo buyers, means that our already meager incomes have come under additional strain.

Moreover, being a professional photographer involves significant monetary investment.

Our profession is by nature equipment-intensive. We need to buy cameras, lenses, computers, software, storage devices, and more on a regular basis. Things break and need to be repaired. We need back-ups of all our data, as one ill-placed cup of coffee could literally erase years of work. For all of us, investment in essential hardware and software entails thousands of dollars a year, as we need to stay current with new technology and best practices.

In addition, travel is a big part of many of our businesses. We must spend a lot of money on transportation, lodging and other travel-related costs.

And of course, perhaps most importantly, there is a substantial sum associated with the time and experience we have invested to become proficient at what we do, as well as the personal risks we often take. Taking snapshots may only involve pressing the camera shutter release, but creating images requires skill, experience and judgement.

So the bottom line is that although we certainly understand and can sympathise with budget constraints, from a practical point of view, we simply cannot afford to subsidise everyone who asks.

Getting “Credit” Doesn’t Mean Much
Part and parcel with requests for free images premised on budgetary constraints is often the promise of providing “credit” and “exposure”, in the form or a watermark, link, or perhaps even a specific mention, as a form of compensation in lieu of commercial remuneration.

There are two major problems with this.

First, getting credit isn’t compensation. We did, after all, create the images concerned, so credit is automatic. It is not something that we hope a third party will be kind enough to grant us.

Second, credit doesn’t pay bills. As we hopefully made clear above, we work hard to make the money required to reinvest in our photographic equipment and to cover related business expenses. On top of that, we need to make enough to pay for basic necessities like food, housing, transportation, etc.

In short, receiving credit for an image we created is a given, not compensation, and credit is not a substitute for payment.

“You Are The Only Photographer Being Unreasonable”
When we do have time to engage in correspondence with people and entities who request free photos, the dialogue sometimes degenerates into an agitated statement directed toward us, asserting in essence that all other photographers the person or entity has contacted are more than delighted to provide photos for free, and that somehow, we are “the only photographer being unreasonable”.

We know that is not true.

We also know that no reasonable and competent photographer would agree to unreasonable conditions. We do allow for the fact that some inexperienced photographers or people who happen to own cameras may indeed agree to work for free, but as the folk wisdom goes: “You get what you pay for.”

Please Follow-Up
One other experience we have in common is that when we do provide photographs for free, we often do not receive updates, feedback or any other form of follow-up letting us know how the event or project unfolded, what goals (if any) were achieved, and what good (if any) our photos did.

All too often, we don’t even get responses to emails we send to follow-up, until, of course, the next time that someone wants free photographs.

In instances where we do agree to work for free, please have the courtesy to follow-up and let us know how things went. A little consideration will go a long way in making us feel more inclined to take time to provide additional images in the future.

Caro potencial cliente,

Se foi direccionado para esta página, é provável que tenha solicitado o uso de imagens ou serviços fotográficos a troco de pouca ou nenhuma compensação monetária.

Enquanto fotógrafos profissionais recebemos regularmente pedidos de imagens gratuitas. Num mundo perfeito cada um de nós gostaria de ser capaz de responder de forma positiva e ajudar, principalmente quando se tratam de projectos ou acções de áreas relacionadas com a educação, causas sociais, ou a preservação de recursos naturais. É justo dizer que, em muitos casos, gostaríamos de ter tempo e recursos para ajudar em vez de apenas enviar fotografias.

Infelizmente, devido a aspectos práticos da vida profissional, somos incapazes de responder. Muitas vezes, a resposta poderá ser breve e não transmitir as razões subjacentes que nos motiva a rejeitar determinadas propostas.

As circunstâncias variam de situação para situação mas, no entanto, apercebemo-nos de uma série de temas recorrentes que iremos descrever mais à frente. Iremos explicar clara e objectivamente, esperando desta maneira evitar mal-entendidos ou fazer com que, involuntariamente, pareça má vontade da nossa parte.

Convidamo-lo a interpretar a nossa postura de forma construtiva. Esperamos que, após esta leitura, tenhamos oportunidade de falar novamente e de estabelecer uma relação profissional reciprocamente frutífera.

A fotografia é a nossa vida e o nosso ganha-pão
A criação de imagens é o nosso meio de subsistência. Não nos conseguimos sustentar facultando as nossas imagens gratuitamente, nem despendendo demasiado tempo a responder a pedidos de imagens gratuitas.

Apoiamos causas nobres com imagens
Muitos de nós contribuimos com fotografias para apoiar certas causas. Em muitos casos, participamos em projectos com o apoio de imagens. Isto poderá também acontecer quando existe uma ligação intrínseca com algumas das pessoas envolvidas com causas em questão. Resumidamente, cada um de nós poderá fornecer imagens sem compensação de uma forma muito selectiva e restrita.

Temos limitações de tempo
É impraticável fazer esta ginástica entre dar apoio com imagens gratuitas a causas, a responder construtivamente a todos os pedidos de fotografias gratuitas; pouco tempo nos sobraria para fazer eficientemente o trabalho efectivamente remunerado. A quantidade substancial de tempo necessário para responder aos pedidos, esperar pela resposta, preparar e enviar ficheiros, inquirir o cliente para saber para que é que as imagens foram utilizadas e quais os objectivos e, se os houver, se foram alcançados. Perdemos muito tempo a responder a solicitações e, será escusado dizer que, o tempo é sempre escasso.

Argumentos do género “não temos dinheiro” são facilmente desmascarados
O motivo primordial em quase todos os pedidos de fotografias gratuitas é restrição a orçamental, o que significa que o cliente argumenta falta de fundos.

Tais pedidos provêem frequentemente de organizações com capacidade financeira, quer se tratem de empresas públicas, agências governamentais ou até mesmo organizações não governamentais. Muitas vezes basta pesquisar um pouco, ver uma apresentação pública, ler um documento de divulgação ou algo semelhante para perceber que a entidade em causa tem acesso a financiamento significativo. Certamente mais do que suficiente para pagar razoavelmente aos fotógrafos.

Para piorar a situação é evidente que, muitas vezes, de todas as partes envolvidas quer em projectos ou causas, os fotógrafos são dos poucos profissionais a quem é solicitado trabalho gratuito. Por norma todos os outros são remunerados.

Tendo em consideração tudo o que foi referido, talvez possa entender o motivo pelo qual nos sentimos frequentemente menosprezados quando nos dizem “Não temos dinheiro”. Tais alegações podem ser interpretadas como uma manobra oportunista com o intuito de tirar proveito de indivíduos ingénuos.

Temos restrições de orçamento
A fotografia não é uma profissão altamente compensatória ao nível monetário, salvo algumas excepções. Escolhemos esta profissão em grande parte devido à paixão que temos pela fotografia, pelas artes visuais e tantas outras áreas em que nos especializámos.

O aumento exponencial de fotografias disponíveis através da Internet, juntamente com orçamentos reduzidos dos clientes, significa que os nossos magros rendimentos estão sujeitos a obstáculos adicionais.

Além disso, ser um fotógrafo profissional envolve um grande investimento monetário.

A nossa profissão é um investimento constante devido ao equipamento. Precisamos investir regularmente em máquinas fotográficas, objectivas, computadores, software, dispositivos de armazenamento, equipamento de estúdio, etc. O equipamento parte e avaria e obrigatoriamente precisa ser reparado ou substituido. Todo equipamento precisa de manutenção regular. Precisamos de cópias de todos os nossos ficheiros; uma chávena de café mal pousada pode literalmente apagar anos de trabalho. Para todos nós, o investimento em hardware e software é essencial e implica um investimento de milhares de euros por ano, pois é profissionalmente imperativo estar a par de novas técnicas e tecnologias.

Além disso, viajamos constantemente. Quer seja para o estrangeiro ou dentro do país. Faz parte do nosso trabalho ir ter com o cliente. Gastamos muito dinheiro em transportes, alojamento e outras despesas relacionadas com deslocações.

E, claro, talvez o mais importante: há um peso substancial associado à experiência e ao tempo que temos investido para nos tornarmos eficientes no que fazemos. Tirar uma fotografia pode apenas envolver o aperto de um botão com a ponta de um dedo e do obturador da máquina. No entanto, a criação de imagens requer criatividade, habilidade, experiência e ponderação.

Resumindo, nós compreendemos que pode haver restrições orçamentais da parte do cliente, simplesmente não nos podemos dar ao luxo de subsidiar tudo o que nos solicitam.

Fornecer “crédito” ou “exposição” não tem grande significado
Grande parte dos pedidos de imagens gratuitas ou com restrições orçamentais, a premissa é, muitas vezes, em vez de remuneração, a promessa de fornecer “crédito” e “exposição” ao fotógrafo numa marca de água, link, ou menção específica, como uma forma de compensação.

Esta situação desencadeia dois graves problemas.

Primeiro, obtenção de “crédito” ou “exposição” não é compensação. Nós criamos as imagens em causa, o que faz com que o crédito seja automático. Não é algo cedido gentilmente por terceiros, é um dado adquirido.

Segundo, o “crédito” e a “exposição” não pagam contas. Como já foi explicado anteriormente, trabalhamos muito para auferir o montante necessário para investir em equipamento fotográfico e para cobrir as despesas relacionadas com o negócio. E sobretudo, precisamos de ganhar o suficiente para pagar necessidades básicas como alimentação, habitação, transporte, etc.

Em suma, receber “crédito” ou “exposição” para uma imagem que criamos é um dado adquirido em todos os trabalhos. Não é, de todo, um substituto para o pagamento.

“Você é o único fotógrafo que não está a ser razoável”
Quando temos tempo para trocar correspondência com pessoas ou entidades que solicitam imagens gratuitas, o diálogo por vezes, degenera-se facilmente em acusações agitadas por parte do potencial cliente. Na sua maioria relatos de que todos os outros fotógrafos com quem a pessoa ou entidade entrou em contacto estão mais que satisfeitos em fornecer as suas fotografias gratuitamente, e que de alguma forma, somos “o único fotógrafo a não ser razoável”.

Sabemos que isto não é verdade.

Sabemos também que nenhum fotógrafo profissional e competente concordaria em trabalhar nestas condições. É verdade que alguns fotógrafos inexperientes ou pessoas que por acaso possuem máquinas fotográficas, podem de facto concordar em trabalhar gratuitamente mas, como diz o ditado popular, “O barato sai caro”.

Por favor, queremos seguimento
Algo que acontece recorrentemente é que, quando eventualmente fornecemos fotografias gratuitamente, muitas dessas vezes não recebemos nenhuma actualização, ou qualquer outra forma de seguimento dando-nos a conhecer como o evento ou projecto decorreu, ou se os objectivos foram alcançados e se as nossas fotografias representaram uma mais-valia.

Muitas vezes, nem sequer obtemos resposta a e-mails que enviamos para saber o seguimento das fotografias facultadas, até à próxima vez que desejam novamente fotografias gratuitas. Nestes casos, por favor tenha a cortesia de nos informar como o projecto decorreu. Um pouco consideração poderá contribuir para uma futura colaboração.

Conclusão
Esperamos que os pontos acima tenham sido elucidativos e que compreenda o motivo pelo qual o fotógrafo em questão o redireccionou para esta página. Todos nós somos profissionais dedicados e deixar-nos-ia satisfeitos se tivermos a oportunidade de estabelecer um relacionamento de trabalho mutuamente benéfico.

pub ebooks 001 300

 

 

INFO

The text published is an original from Tony Wu.

Portuguese translation by Diana Rui.

 

O texto publicado é um original de Tony Wu.

Tradução portuguesa de Diana Rui

 

Photoprofessionals

© Jose Antunes